domingo, 15 de julho de 2018

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Não há direito. Então os Tailandeses, não só correram com a repórter Louis Vuitton 5 estrelas da TVI, como também estragaram a possibilidade de uma boa sessão de selfies ao tio Celito.

A NOVA TORDESILHAS


Trump, Putin e o novo Tratado de Tordesilhas do século XXI, com o Vladimir em plena operação de charme (mundial de futebol), Donald a fazer o papel de idiota útil e a Desunião Europeia, com a prestimosa colaboração de Theresa May e o seu Brexit, a criar as condições para que a “partilha” ocorra.

terça-feira, 3 de julho de 2018

Don't cry for me Lisbonita


Embora, por razões óbvias, não utilize este argumento, Fernando Medina não se poupa a esforços para atrair e manter em Lisboa figuras com um elevado nível de mediatismo internacional como é o caso da Madona. A ideia parece ser tornar a capital, apesar da sua dimensão reduzida a nível das capitais europeias, ainda mais conhecida e apreciada, com os devidos reflexos no crescimento do turismo, desde que não se estrague a galinha dos ovos de ouro, como por vezes parece estar a acontecer.
Todavia, Medina parece ter esquecido ou pelo menos minimizado, o aproveitamento que “as oposições”, devidamente “enquadradas” pela Comunicação Social, iriam fazer e cometeu alguns erros. Por exemplo, numa cidade, com graves problemas de estacionamento, oferecer um parqueamento, ainda que precário, de 15 viaturas por 24 horas ao módico preço de 2 euros cada, quando para os habitantes menos mediáticos, pratica preços exorbitantes, é dar razão aos críticos.      

segunda-feira, 2 de julho de 2018

O Cavaco voltou atrás e renegou a sua política do betão. Agora, fazer muitos meninos é que está a dar. 

terça-feira, 26 de junho de 2018

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Depois desta estreia que se prevê auspiciosa, o panorama da musica popular portuguesa nunca mais será o mesmo.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Angela Merkel em plena acção psicossocial. O Rui Rio, para ficar bem na fotografia, ainda tentou meter uma cunha por causa da redução dos 7% dos fundos, mas parece que a senhora não lhe deu troco. Vá-se lá saber por quê. 

terça-feira, 22 de maio de 2018

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Nem mesmo com a prestimosa colaboração dos OCS eles conseguem inverter a situação. Agora já só lhes resta os incêndios do próximo verão.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

FICAR MAL NA FOTOGRAFIA


Não falta quem apregoe aos sete ventos que é adepto fervoroso do estado de direito. É politicamente correto e fica sempre bem. Todavia, quando o assunto em análise envolve pessoas das cores partidárias da sua preferência, o caso muda de figura e, muitas vezes, a tal obrigatoriedade das acusações ou absolvições carecerem quer de provas, quer do adequado julgamento é mandada às urtigas.
Nunca aqui emiti a minha opinião acerca do caso José Sócrates, não apenas pela minha ausência de filiação ou simpatia partidária mas, sobretudo, por uma questão de coerência.
Neste caso vou abrir uma exceção pois, como a imagem pretende sugerir,  tenho que reconhecer que há muita gente a “ficar mal na fotografia” e isso, de certo modo irrita-me.

1)- A defesa de JS pela maneira pouco clara e convincente como tem argumentado contra a acusação dos empréstimos monetários do seu amigo Carlos Santos Silva, os propalados luxos e as férias em conjunto. Digamos que este será mesmo o seu calcanhar de Aquiles. Aparentemente, não parece que haja qualquer ilegalidade nos procedimentos mas, num país de gente invejosa, torna-se muito difícil justificá-los.
Curiosamente, ninguém usa do mesmo critério rigoroso para justificar as férias de luxo de Ricardo Salgado com algumas figuras de topo na vida política portuguesa (por exemplo MRS).
2)- O comportamento vergonhoso de certa Comunicação Social, com destaque para o Correio da Manhã. A violação sistemática do segredo de justiça, de forma ostensivamente concertada com o Ministério Público, parecendo até que o CM funciona como o canal de comunicação privilegiado para o MP. Não há acusações formais, mas ficam as insinuações “habilidosas” de “fortes suspeitas”.  Tudo dentro de uma estratégia de julgamento em “Praça Pública”.
Curiosamente, ou não, esta estratégia não se aplica a outros casos potencialmente mediáticos com figuras de outras cores partidárias. Pura e abjeta manipulação.
3)- Aparentemente, à falta de provas consistentes, o MP tenta transformar o processo num “mega-processo” onde encaixa tudo e um par de botas e, em “colaboração” com os OCS de confiança, à falta de melhor, proceder ao julgamento em praça pública.
As investigações parecem intermináveis, correndo-se o risco de, à semelhança de outros processos de corrupção, vir a ser arquivado por ter expirado o prazo.
Curiosa a afirmação de um procurador na RTP que considerou que a quebra do segredo de justiça é “interesse público”, esquecendo-se de explicar quem é que, neste caso, define o que é isso do interesses público.
4)- O PS, que parece ter acordado um pouco tarde, apenas veio objetivamente reforçar o “julgamento popular”. Se tinham ou têm qualquer tipo de provas, porquê só agora divulgá-las?
As legislativas aproximam-se e esta atuação soa a oportunismo político.
5)- A direita que parece disposta a tudo para tirar dividendos políticos do caso, esquecendo os seus telhados de vidro.